Freguesia de Beduído e Veiros

Notícias


Tempo quente e seco - perigo de incêndios

Alerta da Autoridade Nacional de Proteção Civil

Sexta, 17 de Novembro

Tempo quente e seco nos próximos dias. Proteção Civil alerta para risco de incêndio

·          

In

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) lançou esta quinta-feira, 16 de novembro, um alerta à população para o risco de incêndio rural nos próximos dias, alertando para a existência de uma "grande quantidade de material combustível acumulado e suscetível de arder rápida e violentamente nos espaços florestais."

 

Na sequência da informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), verificar-se-á, previsivelmente, a partir de amanhã, sexta-feira 17 de novembro, e durante os próximos dias, um período de tempo seco e subida de temperatura, para valores acima da média para esta época do ano.

EFEITOS EXPECTÁVEIS

Estão reunidas condições favoráveis à propagação de incêndios rurais na eventualidade de se verificarem ignições do material lenhoso, uma vez que o país atravessa um já longo período de seca e, além disso, existe ainda grande quantidade de material combustível acumulado e suscetível de arder rápida e violentamente nos espaços florestais.

MEDIDAS PREVENTIVAS

Face ao quadro meteorológico traçado e aos efeitos expectáveis que dele decorrem, é imperioso adequar e ajustar os comportamentos individuais ao risco de incêndio rural que irá vigorar ao longo dos próximos dias, bem como adotar as medidas cautelares apropriadas com vista a evitar ocorrências associadas a incêndios rurais.

Por isso, a ANPC recorda que, de acordo com as disposições legais em vigor, para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja superior ao nível ELEVADO, não é permitida:

·         A realização de queimadas.


Para os locais onde o índice de risco temporal de incêndio seja superior ao nível MUITO ELEVADO, continua a não ser permitido:

 

·         Realizar fogueiras para recreio, lazer ou para a confeção de alimentos;

·         Utilizar equipamentos de queima e de combustão, destinados à iluminação ou à confeção de alimentos;

·         Queimar matos cortados e amontoados ou qualquer tipo de sobrantes de exploração;

·         Lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes;

·         Fumar ou fazer lume de qualquer tipo nos espaços florestais e vias de atravessamento ou circundantes;

·         Fumigar ou desinfestar apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.


A ANPC recorda, ainda, os cuidados a observar aquando da realização de trabalhos agrícolas e florestais:

·         Manter as máquinas e equipamentos limpos de óleos e poeiras;

·         Abastecer as máquinas a frio e em local com pouca vegetação;

·         Guardar todo o cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento, evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.


Por fim, a ANPC sublinha que todos devem respeitar as proibições em vigor e guardar especial atenção à evolução do perigo de incêndio florestal durante os próximos dias nas diferentes regiões do país, informando-se, para o efeito, através dos sítios digitais da ANPC e do IPMA, bem como dos Gabinetes Técnicos Florestais, das Câmaras Municipais e dos Corpos de Bombeiros das diversas localidades.

(Nota: Este alerta à população foi enviado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil às redações às 19:00 do dia 16 de novembro de 2017)

No final de outubro, o Governo decidiu prorrogar até 15 de novembro o período crítico no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios, decisão justificada pelas "circunstâncias meteorológicas excecionais".

Até quarta-feira, era proibido, nos espaços agrícolas e florestais, fumar, fazer lume ou fogueiras, fazer queimadas e lançar foguetes e balões de mecha acesa, além de fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas, e fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não tenham extintor, sistema de retenção de faúlhas ou faíscas e tapa-chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Este foi o terceiro prolongamento feito este ano do período crítico de incêndios, que inicialmente estava previsto para terminar a 30 de setembro.